Visão desfocada

De acordo com Jesus, se tentarmos melhorar o casamento mudando o cônjuge (esforçando-nos para tirar o cisco do olho do parceiro), então as energias estarão sendo gastas com a atividade errada. O lugar para começar são nossas próprias falhas – a viga que está em nosso olho.

Não é uma sugestão de que nosso cônjuge não possua fraquezas ou falhas, mas tentar lidar com ela é o ponto onde se deve começar. No meio de uma tempestade conjugal, as primeiras perguntas a fazer são:

O que há de errado comigo?

Quais são as minhas falhas?

Essa abordagem pode parecer estranha. Afinal de contas, talvez vocês achem que o outro seja responsável por 95% do problema. Embora vocês não sejam perfeitos, suas falhas podem parecer relativamente menores. Ainda que isso seja verdade (embora os percentuais de culpa possam mudar após séria reflexão), o segredo para a melhoria ainda reside em nós. Jesus ordenou: “tire primeiro a viga do seu olho”.

Qual a estratégia para fazer isso? Como se tira a “viga do olho”? Primeiramente, ficando sozinho com Deus, preferencialmente num lugar onde se possa falar em voz alta. (Se seus sentimentos forem profundamente hostis em relação ao cônjuge, talvez queiram primeiramente listar por escrito os erros dele para liberar sua mente em termos psicológicos, de modo que possam lidar com seus próprios erros.) Segundo, pedindo a Deus que mostre seus erros. Terceiro, ouvindo abertamente e em silêncio e, depois, aceitando seus próprios erros. Somente então vocês verão com clareza suficiente para abordar os erros dos outros.

Fonte: Bíblia As linguagens do amor – Gary Chapman

Confira também

Comentários encerrados.