Servir, a maior das vocações!

No capítulo seis do livro de Isaías encontramos a vocação deste profeta que ainda nos fala fortemente ao coração.

Deus sempre chama pessoas, independente da situação. Isaías foi chamado “No ano em que morreu o rei Uzias”. O país estava num caos político e espiritual. Mesmo em meio a trovões de uma tempestade podemos ouvir a doce voz do Senhor. Aliás, é próprio de Deus fazer que flores lindíssimas brotem em lugares escabrosos.

Todo o chamado genuíno traz a marca de um encontro real com a Divindade. O testemunho do Profeta foi: “…eu vi o Senhor assentado num trono alto e exaltado, e a aba de sua veste enchia o templo.”. Deus reina sobre tudo e todos e não nega a Sua presença e glória a ninguém, principalmente a alguém que fala em Seu nome. Deus se revela sempre aos que O amam. Porém, muitas vezes, para contemplar a glória do Senhor é preciso tirar os olhos das dificuldades e levanta-los ao Céu.

Todo chamado, no entanto, é para ser vivido com humildade, santificação, serviço e adoração. “Acima dele estavam serafins; cada um deles tinha seis asas: com duas cobriam o rosto, com duas cobriam os pés, e com duas voavam. E proclamavam uns aos outros: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos, a terra inteira está cheia da sua glória”.

Os Serafins (Anjos especiais de Deus) nesta visão possuíam seis asas representando a humanidade. O número seis na Bíblia está sempre ligado às atividades humanas. Cobrir o rosto significa humildade. Jamais devemos concorrer com a glória de Deus. No céu do Reino Eterno deve existir somente uma estrela. A estrela da manhã, o Senhor Jesus que vive para sempre. Cobrir os pés declara a santificação. Deus já deu o melhor ao mundo que foi a morte do Seu Filho Unigênito na Cruz. Da nossa parte cabe viver de acordo com a Sua vontade. Com as duas últimas asas os Serafins voavam, ou seja, movimentavam, trabalhavam. Não podemos ficar inertes, com todas coisas a serem feitas. Deus nos quer por inteiro: Nossas mentes, nossos olhos, nossos lábios, nossas mãos, nossos pés, nosso melhor, nosso tudo. Podemos resumir todas as nossas atividades numa palavra: Adoração. Devemos adorar a Deus porque Ele é maravilhoso, glorioso, misericordioso, perdoador, perfeito, justo… e santo.

Diante da Majestade Santa, Isaías sente-se pequeno e longe da perfeição que Deus deseja e exclama: “Ai de mim! Estou perdido! Pois sou um homem de lábios impuros e vivo no meio de um povo de lábios impuros; e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!”. Mas quem pode merecer alguma coisa do Senhor? Tudo que temos e somos é resultado da graça Divina. Quando Isaías sentiu-se assim, estava abrindo as portas da existência para a ação de Deus. Quanto mais esvaziarmos de nós mesmos, mais poderemos ser cheios da presença do Eterno.

Podemos ver ainda a ação e o cuidado da parte de Deus no sentido de tirar todo impedimento. “Então um dos serafins voou até mim trazendo uma brasa viva, que havia tirado do altar com uma tenaz”. Com ela tocou a minha boca e disse: “Veja, isto tocou os seus lábios; por isso, a sua culpa será removida, e o seu pecado será perdoado”. Somente quando estamos puros podemos fazer a obra da salvação.

Por último, a pergunta mais inquietante e a resposta mais acertada para o Cristão. “Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: “Quem enviarei? Quem irá por nós? ” E eu respondi: “Eis-me aqui. Envia-me! “. O Senhor precisa de nós, mas quem está disposto?

Por: Pr. Elias Alves
Fonte: Sou da Promessa

Confira também

Um comentário

  • 18 de outubro de 2016

    Simplesmente amar E o que importa para quem quiser servir Simplesmente amar E a condicao maior suprema do servir Eis a verdadeira vocacao Simplesmente amar