Quase cristão, mas perdido

Henrique Smith disse: “Quase doce, é sem sabor; quase quente, é morno; quase cristão, é como Mica, que se considerava religioso bastante porque tinha em casa um sacerdote; quase cristão é como Ananias e Safira, que apresentaram uma parte, mas deixaram outra parte; quase cristão é como os filhos de Eli, que furtavam os sacrifícios, como a figueira, que, com sua folhagem ocultou a ausência de frutos, ou como as virgens que tinham consigo lâmpadas sem óleo.”

Não precisamos andar muito para concluir que há quase cristãos dentro de nossas igrejas. Os piores perdidos são aqueles que acreditam que são salvos, sendo perdidos. E eles estão dentro das nossas igrejas. Gente enganada. Tão perto, mas tão longe. Estão diante do Pai, mas O tratam como um ídolo. Estão diante do Pai, mas sua visão é distorcida e limitada.

Quase cristão, é perdido. Quase salvo, é perdido. Quase crente, é perdido. Mas como podemos ser quase cristãos? As nossas posturas e atitudes mostram quem, de fato, somos.

Ser quase cristão é…

Ouvir, mas não obedecer.

Saber e não fazer.

Orar sem se humilhar.

Ser abençoado e não abençoar.

Cantar sem adorar.

Confessar sem se arrepender.

Acreditar sem confiar.

Fazer o bem por interesse.

Perdoar, mas não esquecer.

Ofertar sem alegria.

Cultuar sem santidade.

Amar sem cuidar.

Se arrepender sem transformar.

Ir ao culto sem buscar a Deus.

Ser membro sem vestir a camisa.

Pregar sem viver.

Viver sem pregar.

Ser luz debaixo da cama.

Ser sal sem dar sabor.

Ter água e não matar a sede.

Ter pão, mas não alimentar.

Ser quase cristão é dizer “Senhor, Senhor”, sem conhecê-lo de verdade.

Ser quase cristão é desejar ser cristão, mas sem pagar o preço.

Isso é ser quase cristão. Agora, se você quer saber o que é ser cristão, leia as palavras do próprio Salvador: “Se alguém quer me seguir, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Porque, quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa, a encontrará” (Mateus 16. 24 e 25).

Pensando bem, quem é quase, não é nada. É muito fácil estar perdido diante do Salvador, basta quase buscá-lo, quase servi-lo, quase amá-lo. Henrique Smith está certo: quem é quase quente, é morno. E se alguém quiser saber o que Deus pensa desse negócio de ser morno, dê uma olhadinha no que diz Apocalipse 3. 15 e 16. E seja um cristão inteiro.

Fonte: Primeira Igreja Batista de Piracicaba

http://www.batistapiracicaba.com.br/noticia/artigos/quase-cristao-mas-perdido-437/

Confira também

Sem comentários