Categoria : Artigo

Valentia é preciso

Horas antes de bater as botas, o então idoso Davi chamou o seu filho para instrui-lo sobre algumas coisas que teria que fazer. E como começa a sua última instrução? Começa pedindo para o filho ser valente. Davi pediu para o seu filho ser o que ele próprio havia sido. Davi viveu com valentia. Além disso, se cercou de homens valentes. Um deles, Eleazar. Pensa num homem valente. Ele esteve com Davi quando os filisteus se reuniram para a batalha. O combate foi tão terrível e violento que todos os israelitas pediram arrego. Todos não. Eleazar permaneceu no campo de batalha. Permaneceu para lutar. Lutou tanto contra os filisteus que a sua mão ficou dormente e grudou na espada. Você consegue imaginar como estava a mão dele? Ferida e sangrando. Mas Eleazar não pediu arrego. O homem era valente mesmo.... ...

Leia mais →

Santidade na cidade

O “santo do pau oco” estragou a brincadeira? Rotulada por alguns como o ópio social e apontada por outros como estratégia de manobra dos ignorantes, a prática da religião nunca foi um sinal, por si só, de vida espiritual verdadeira e coerente. Na busca de viver o texto no contexto, às vezes (mais do que gostaria), encontro cristãos assustadoramente alienados tanto de um lado quanto do outro. É aí que a religião pode se tornar o engano amigo, “bunitinho” e adequado. No fim do século 17, a coroa portuguesa cobrava 20% de imposto sobre a extração de minério no Brasil colônia. Para escapar dessa tributação, os mineiros, tanto escravos quanto senhores, escondiam ouro, diamante e pedras preciosas dentro de imagens religiosas ocas. Nascia aí a expressão popular “santo do pau oco” como sinônimo de falsidade. Essa expressão descortina um traço... ...

Leia mais →

Não basta dizer, é preciso fazer

Muitos gostariam que o Sermão do Monte terminasse com a conhecida “lei áurea” — “Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a Lei e os Profetas” (Mt 7.12). E o mais famoso sermão de Jesus terminaria com um bom resumo de tudo o que ele havia acabado de ensinar. Porém, Mateus não termina assim. Ele segue com uma recomendação e conclui com uma pequena parábola, na qual Jesus deixa claro o que ele espera dos seus ouvintes. Uma forma de entender a conclusão desse sermão são os pronomes: “nem todo o que “me” diz”, “aquele que faz a vontade do “meu” Pai”, “hão de dizer-‘me’”, “apartai-vos de ‘mim’”, “ouve as ‘minhas’ palavras”. Eles nos levam a considerar quem ensina, e não apenas o que se ensina. São essas palavras... ...

Leia mais →

Meu príncipe virou sapo

Onde eu errei? E aí, subitamente, o amado, até então príncipe, virou sapo. A princesa chorou, chorou e se questionou se tudo aconteceu de repente, ou se ele sempre foi assim. Para ela, a vida deveria ser como nos contos de fadas: amor à primeira vista. Na realidade, quando nos apaixonamos, idealizamos no outro tudo o que gostaríamos de ver. Ignoramos os indícios que fazem dele um sapo e exaltamos os que poderiam torná-lo príncipe perfeito. Será que há um jeito de lidar com isso? Vamos lá! Minha proposta é que você aceite o desafio de buscar conhecimento na Palavra. Pode acreditar, a Bíblia tem um caminho! Veja, por exemplo, a ação divina na união de Adão e Eva e a revelação da vontade de Deus no casamento de Isaque e Rebeca. O que eles têm em comum? Encontramos esta... ...

Leia mais →

Deus me vê

“Este foi o nome que ela deu ao Senhor que lhe havia falado: “Tu és o Deus que me vê” (Gênesis 16:13). Lá estava Hagar, a serva egípcia de Sara, esposa de Abraão. Hagar estava esperando um filho de Abraão, a criança que Sara desejava mais do que tudo, mas não podia ter. Hagar vagueava pelo deserto, sozinha. O Senhor havia prometido a Abrão que lhe daria um filho e que seus descendentes seriam tão numerosos quanto as estrelas. Mas o filho não veio. Os anos se passaram e nada do filho. A esperança se desvaneceu. Sara desistiu de esperar; e Abraão também. Para eles, a única maneira de ter um filho era permitindo que Hagar dormisse com Abraão, a receita perfeita para o desastre familiar. Depois que Hagar engravidou, o relacionamento entre as duas mulheres mudou radicalmente. Hagar de... ...

Leia mais →

Missão integral é seguir a Jesus. Simples!

Falando das coisas simples da vida Há tempo para todo propósito na vida, nos ensina o livro de Eclesiastes (3.1-9). Assim, há tempo de coisa grande. Tempo de alto consumo de adrenalina. O primeiro namoro, o nascimento do primeiro filho, a conversão a Cristo, a morte de um ente querido, uma doença repentina, a perda inesperada do emprego… São tempos e momentos fortes, uns marcados pela felicidade; outros, pela tristeza. Mas esses são tempos e momentos. A maior parte da nossa vida, no entanto, quase sempre ocorre num clima que poderíamos chamar de “normalidade”. É acordar e dormir a cada dia. O café da manhã seguido do trabalho. O almoço composto de feijão com arroz. É chegar em casa, conversar sobre as coisas do dia e preparar-se para dormir. É preocupar-se com a escola dos filhos, a compra no supermercado... ...

Leia mais →

Se cuidar, fica bonito

Logo na entrada do prédio onde trabalho, há um pequeno canteiro. Até um mês atrás, o canteiro era apenas um depósito de terra socado, esturricado. Um dia, ao chegar para o trabalho, vi um senhor plantando algumas plantas ornamentais no tal canteiro. Elogiei o trabalho e perguntei quem iria cuidar. Seu Antônio, o zelador, logo disse que ele se responsabilizaria por tal tarefa. Um dia antes de escrever este artigo, olhei para o canteiro e estava lá, com flores crescidas e já chamando a atenção das pessoas. Não há jardins sem jardineiros. Nenhum jardim bonito, as plantas crescem por si só e os canteiros se tornam bonitos se não houver alguém que cuide com zelo e responsabilidade. Assim é no casamento. Casamentos bonitos não acontecem por acaso. É preciso cuidado diário. Casamentos, tais como jardins morrem, ficam feios, não causam... ...

Leia mais →

Deus nos manda odiar?

Tempo para tudo – amar e odiar Os primeiros versículos de Eclesiastes 3 nos ensinam muito. Ensinam que o tempo não está à deriva. Há tempo para todas as realizações. E esse tempo existe por que há um “Senhor” atemporal que governa tudo e todos, pois diante dele estão nítidas tanto a eternidade passada como a eternidade futura (Sl 90.2). Este “Senhor do tempo” é Deus (Pai, filho e Espírito Santo). Assim, a vida nunca é estática. Ela se recusa estar parada em seus diferentes ritmos de atividades. As estações mudam. As marés mudam. As circunstâncias mudam como numa roda gigante, onde o posicionamento é temporário. Às vezes, as situações são por ações nossas, outras por reações. Desta forma, há “tempo de amar e tempo de odiar” (Ec 3.8). Comecemos por tempo de amar. Amar é bom. João escreveu que... ...

Leia mais →

Saia do caos

Se você manja um pouco de Bíblia, deve estar por dentro de que a mesma se divide em duas grandes partes. A primeira parte, com trinta e nove livros, chamada de Antigo Testamento e a segunda, com vinte e sete livros, chamada de Novo Testamento. O primeiro livro, da primeira parte da Bíblia, começa com uma mulher dizendo “sim” para si mesma e “não” para Deus. Ao fazê-lo, o caos começa a se instalar, dentro e fora dela: caos emocional, caos relacional, caos conjugal, caos espiritual, caos ecológico. O primeiro livro, da segunda parte da Bíblia, semelhantemente, começa com uma mulher. Mas o que a mulher dessa parte diz é totalmente diferente do que a mulher da outra parte disse. Essa mulher diz “não” para si mesma e “sim” para Deus. Deixa Deus fazer o quer da vida dela. Ao... ...

Leia mais →

Então, pelo que você vive?

O evangelho é transformação de mundo e mudança de paradigma. Nada pode continuar da maneira que era depois que você crê no evangelho. Por quê? Primeiro, porque o evangelho nos mostra quanto o pecado é terrível e a graça é melhor. Por causa do pecado, todo mundo depois de Adão e Eva nasce imperfeito. Por natureza, estamos quebrados e somos rebeldes depravados contra Deus (Rm 3.9-12). Parece duro, mas é verdade. Ninguém nasce amando a Deus. Pelo contrário, nossa inclinação natural é odiá-lo. O evangelho somente é uma boa notícia porque há uma má notícia. A má notícia é que o pecado é real e nós somos pecadores. O castigo por nosso pecado é a morte (Rm 6.23). Rebelamo-nos contra um Deus infinitamente bom, então carregamos o peso de sua ira justa (Rm 1.18; Cl 3.6). Jimmy Needham retratou isso... ...

Leia mais →